terça-feira, 18 de abril de 2017

Fajã dos Padres

Um pequeno paraíso na Terra


 
Uma propriedade que pertenceu aos Jesuitas, depois ao Estado, e que está na família desde 1921. São 14 ha de propriedade, onde alguns pés de vinha de Malvasia (Cândida) e Terrantez convivem com muitas outras plantações, tudo num regime biológico (não certificado). 

Um pequeno viticultor que devido à sua pequena escala não pode ser produtor, pelo que, recorre a uma parceria com um produtor de Vinho da Madeira, o Barbeito, que vinifica e engarrafa o seu vinho à parte. São cerca de 3000 litros, cujo primeiro engarrafamento de 650 garrafas foi o Fajã dos Padres 1986 Malvasia Frasqueira.


Uma casa que tem as portas abertas para quem os visita e tem interesse em conhecer e saber mais sobre os seus vinhos e a sua história. Uma casa humilde e rústica, mas cheia de história e autênticidade,  onde é possível ver o trabalho de um (muito) pequeno produtor, que luta por manter as suas tradições e convicções.


O Engº Mário Jardim Fernandes, produtor da Fajã dos Padres, a dar a provar o Fajã dos Padres 2001 Malvasia, directamente da barrica onde ainda estagia. Um vinho de  cor acastanhada, de aroma doce, conjugando ligeiro fruto seco e caramelo. Um Malvasia doce mas com frescura, ainda jovem com garra e um pouco de rusticidade, o contraste do doce de salgado. Vinhos autênticos, que necessitam de tempo para revelarem a sua verdadeira identidade. Para voltar a provar dentro de alguns anos...


A vista do restaurante, onde o Chef Amandio prepara pratos com os ingredientes mais frescos da horta biológica e muito à base do peixe que chega fresco directamente do mar. Um luxo (acessível) comer neste local e com esta vista. Deixo nota da Garoupa grelhada com legumes da horta que tive oportunidade de provar.



O acesso à Fajã é feito de barco ou de teleférico, que funciona como um elevador, mas com muito mais estilo. Literalmente, uma viagem na história do vinho da Madeira.



Há um paraíso na Terra? Certamente que vários, mas este é um deles, por toda a envolvência, história e o próprio local. Um local de passagem obrigatória para enófilos, principalmente para os apaixonados pelo vinho da Madeira.

Avinhado a 5 de Março de 2017
#avinhar

Sem comentários:

Enviar um comentário